close
    search Buscar

    O funeral do Google+ começou: RIP

    Quem sou
    Alejandra Rangel
    @alejandrarangel

    Comentários sobre o item:

    aviso de conteúdo


    Vai ser comemorado aos poucos, talvez ninguém dê notícias tristes sobre isso por algum tempo, mas no momento não há lágrimas ao lado da cama. Afinal, o Google+ nunca foi muito popular: foi para uns poucos, talvez por pouco tempo, certamente nunca a ponto de apontar, mesmo remotamente, para atingir seu objetivo. E o objetivo era alto: entrar na elite das redes sociais, onde reina o Facebook e o Twitter persegue. Onde G + nunca esteve, exceto com a força bruta dos números herdados da galáxia do Google.



    Google + é um projeto que nasceu na sombra do gigante, e nos ombros do gigante nunca subiu. O fato de a conta ser compartilhada com o Gmail e outras propriedades do grupo fez com que por algum tempo o Google pudesse argumentar que o número de usuários era alto e crescente. Mas era uma espécie de alquimia, e as pedras nunca realmente se transformaram em ouro.

    Não que não houvesse vida, veja bem. No entanto, 90% das visitas duraram apenas alguns segundos (certamente não é um padrão de rede social), enquanto os 10% restantes foram atraídos para as revistas que algumas redes produziram e animaram ao longo dos anos. Poucas coisas, pequenos nichos, nenhuma capacidade de escalar para uma nova dimensão. E, acima de tudo, sem atualizações: Google+ permaneceu o mesmo e ao longo dos anos (números em mãos), houve mais mudanças de logotipo do que os recursos incluídos no serviço.


    Nem mesmo o Google acreditou muito no G + e (declarações de fachada à parte), ele nunca fez muito para apoiar seu crescimento e função. Escolhas estratégicas, talvez uma forma de dividir as tarefas com o Facebook, evitando-se para entrar no mercado alheio: em relação à distância, evitando a concorrência direta. Qualquer leitura póstuma é, em todo caso, inútil, palavras formais que são recitadas em casos semelhantes.


    O que mais o faz pensar é a escolha do Google diante do que aconteceu nessas horas: nenhuma reação para tentar manter G + vivo, nenhum esforço para driblar o obstáculo e relançar a rede social. O Google, de fato, desliga. Ele permanecerá ativo para usuários corporativos (certamente não muitos, certamente não por muito tempo), depois do qual pode começar a se tornar um simples ramo seco. O contentor de identidade que o Google pretendia construir deverá ter uma dimensão menos tangível e mais orientada para a gestão de dados entre os diferentes serviços: enfim, tudo menos uma rede social, e com a nova espada de Dâmocles dos regulamentos de privacidade.

    O funeral do Google+ começa hoje. É improvável que surjam dúvidas, mesmo que o Google tenha toda a força e capital para tentar a aventura novamente. Uma pena, pode-se dizer: o Facebook poderia ter um alter ego, assim como a Pesquisa Google merece uma alternativa. Por outro lado, no mercado global, tudo se resume a um oligopólio em que um player dominante deixa pouco espaço para quem busca e praticamente nada para quem vem na terceira faixa. Para o Google, essa foi talvez a oportunidade certa de raspar o que nunca funcionou, esquecer o que não conseguiu construir, apagar o que não conseguiu dominar.



    RIP.

    O funeral do Google+ começou: RIP
    Áudio vídeo O funeral do Google+ começou: RIP
    Adicione um comentário a partir de O funeral do Google+ começou: RIP
    Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.